Realize > Mão na massa

As diferenças entre uma startup e uma empresa tradicional

pessoas sentadas na mesa trabalhando em notebook

No meio empreendedor, é comum ouvir o termo startup para uma empresa que acabou de surgir. O termo, que surgiu nos anos 1990 nos Estados Unidos e passou a ser adotado por aqui nos anos 2000, quando a internet ganhou popularidade, pode confundir quem acaba de entrar no ramo.

Apesar de startup se enquadrar em diversas novas empresas, nem todo empreendimento que surge é uma startup. Embora existam algumas ideias divergentes, o conceito normalmente refere-se a uma empresa que busca um modelo de negócio que está focado em crescer rapidamente, com um grande potencial de lucro, visando ser uma empresa grande em um curto período de tempo.

Para alcançar esse ritmo de crescimento, outros dois termos são utilizados para definir as startups: escalável e repetível. Ser repetível significa entregar da mesma maneira um produto de maneira ilimitada. Isso significa que o produto ou serviço pode ser fornecido independente da demanda. Um exemplo é a Netflix, ferramenta para streaming de vídeos. Qualquer assinante pode assistir à qualquer filme que estiver no catálogo, sem que isso interfira na disponibilidade do produto.

Ser escalável está diretamente relacionado ao repetível. Escalável significa um poder de rápido crescimento sem que isso interfira no custo da empresa. Ou seja, se você vende uma unidade e mil unidades de um mesmo produto, a ideia é que a variação de custo para a produção de uma ou de mil unidades não seja tão diferente assim.

Outro ponto importante que ajuda a definir o que é uma startup é o risco. Por normalmente trazer um modelo de negócio diferente, o sucesso não é certo. O CEO da Warby Parker reforça essa definição. “Uma startup é uma empresa que está trabalhando para resolver um problema em que a solução não é óbvia e o sucesso não é garantido”, afirmou para a Forbes.

Já uma empresa tradicional não tem esse foco no rápido crescimento. Uma companhia convencional tem planos  mais à longo prazo e até sem tantas ambições como uma startup.

Ainda há muita discordância em relação a quando uma empresa deixa de ser uma startup e se torna uma grande empresa. Para Alex Wilhelm, do TechCrunch, uma empresa precisa valer mais de US$ 500 milhões e ter mais de 100 empregados para deixar de ser considerada uma startup.

Startup e inovação

Por precisar desse modelo de negócio de rápido faturamento e crescimento, normalmente uma startup é inovadora em seu ramo. Já a empresa, apesar de poder trazer traços inovadores, não será uma revolução em seu campo — e nem busca ser dominante na área, pelo menos a curto prazo. Por exemplo, imagine uma loja que vende doces. A não ser que o modelo de vendas dela seja completamente fora do convencional, ela é considerada uma empresa.

Já uma startup busca modificar o ecossistema do seu ramo. A Uber, embora não seja mais uma startup, é um sistema de caronas compartilhadas e tem mudado o seu campo, interferindo na mobilidade urbana da cidade, modificando leis e até dando uma ocupação para quem não tinha.

  • Essa matéria foi útil?
  • 0 0
Assine nossa Newsletter
Deixe seu e-mail abaixo e fique por dentro de todas as novidades do Meu Negócio Brilhante assinando nossa newsletter
Ao enviar o seus dados, você concorda em receber e-mail de "Meu Negócio Brilhante". Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento clicando no link 'Cancelar inscrição' nos e-mails que receerá de nós.

Assine nossa Newsletter

Deixe seu e-mail abaixo e fique por dentro de todas as novidades do Meu Negócio Brilhante assinando nossa newsletter

Ao enviar o seus dados, você concorda em receber e-mail de "Meu Negócio Brilhante". Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento clicando no link 'Cancelar inscrição' nos e-mails que receberá de nós.