Primeiros passos > Organize-se

Entenda por que a rubrica é importante

mulher assinando papéis com rubrica

Rubrica é aquela abreviação da assinatura usada em algumas situações específicas como, por exemplo, em cada uma das páginas de um contrato para abrir uma conta no banco ou ao assinar o financiamento de um carro ou de uma casa. Esse visto significa que você leu e concorda com tudo o que está escrito em cada uma das folhas. Por isso, não deixe de ler e entender todas as informações: caso algo não esteja claro, pergunte e tire todas as dúvidas antes de deixar a sua rubrica ali.

Isso serve para caso alguma página seja alterada mais tarde. Se não tiver a sua rubrica vai mostrar que você desconhece aquela mudança, por exemplo. Para que tenha valor jurídico, é preciso reconhecer firma em cartório para atestar a veracidade dessa assinatura abreviada.

Leia mais:
Dicas para aumentar a produtividade
As vantagens de pagar boleto no cartão de crédito

É muito comum ouvir as pessoas falarem “rúbrica”, mas a pronúncia correta é “rubríca”, ou seja, a sílaba tônica está na letra i. A palavra vem do latim e faz referência à “rubro”, que significa vermelho. Sua origem está nos manuscritos antigos, em que a rubrica aparecia como a letra ou linha inicial de um capítulo, sempre escrita em vermelho.

Você já tem rubrica? Sabe o que precisa levar em conta para criá-la? Abaixo, daremos algumas dicas para você acertar em sua rubrica e aprender mais sobre os diversos tipos e modelos. Separe uma folha de papel e uma caneta ou lápis e vamos lá.

Analise sua assinatura

O primeiro passo é analisar a sua assinatura. Consegue identificar quais elementos dela você gosta mais? Inclua pontos, traços, intersecção de sobrenomes. Se a sua assinatura for o seu nome completo, procure criar uma rubrica com as primeiras letras dele, por exemplo. Pense em algo único, mas não caia na tentação de fazer uma rubrica muito difícil de ser reproduzida.

Teste as ideias

Criou uma rubrica? Teste-as muitas vezes no papel. Veja se, além de agradar você, ela é fácil de reproduzir. Tome a decisão de adotá-la somente depois que estiver completamente habituado. Só assim, você evitará problemas futuros, afinal, você não vai poder rubricar o mesmo documento de duas formas diferentes, certo?

Deixe a criatividade fluir

Varie a forma de escrever. Adicione formas às letras, traços e pontos. Só procure manter o mesmo tamanho sempre, pois a rubrica tem de ser uma versão reduzida da sua assinatura. A ideia é que seja uma forma curta e direta de firmar um contrato.

Escolha letras

Pense em algo que tenha a ver com as iniciais do seu nome e sobrenome. Faça uma lista com vários rascunhos de rubricas para depois escolher a que mais tem a ver com você. Escreva várias vezes e veja se é possível repetir de forma semelhante.

Evite rubrica espalhafatosa

Crie uma rubrica simples e original. E evite aquelas que tomam tempo para serem feitas. Imagine só ter de fazer o visto em várias vias de um contrato com muitas páginas e todos ao redor esperando por você…

Evite apelidos

Apelidos não são uma boa opção, a não ser que sejam a redução do seu nome. “Joca”, por exemplo, seria uma ótima rubrica para uma pessoa chamada João Carlos. Mas, do contrário, evite-os para não perder o caráter profissional.

  • Essa matéria foi útil?
  • 2 0